Em memória do Yahoo! Groups

Atribuição da Imagem: The Fire of Alexandria (O Fogo de Alexandria), xilogravura de Hermann Göll, 1876, composição da Equipa do Projeto Yahoo-Geddon

Hoje, depois de 20 anos de serviço às comunidades de fãs e restantes comunidades da Internet, o Yahoo! Groups foi encerrado. A decisão foi anunciada pela Verizon este ano a 14 de outubro.

O Yahoo! Groups era uma combinação de fórum de discussão e lista de correio lançada em 1999 que rapidamente se tornou um foco para atividades de fãs. O Yahoo! Groups e outros serviços semelhantes permitiram à comunidade de fãs customizar e controlar as suas experiências na fandom de uma forma até aí sem precedentes, e com Grupos de fãs de diferentes géneros, fandoms, ships, e personagens individuais.

Apesar de ter sido imensamente popular no seu auge nos anos 2000, com o passar do tempo o Yahoo! Groups começou a perder pessoas utilizadoras. A Yahoo começou a reduzir os esforços de manutenção, e muitas funcionalidades foram perdidas. Mais notavelmente, talvez te recordes do anúncio da Verizon de 16 de outubro de 2019 que comunicou que todas as mensagens e ficheiros arquivados dos Yahoo! Groups seriam apagados a 14 de dezembro de 2019, e que o Yahoo! Groups ia continuar a existir apenas como lista de correio, sem manter registos de mensagens ou ficheiros publicados nas listas.

Com tão pouco tempo para salvar quase 20 anos de publicações, imagens e outros conteúdos insubstituíveis, a comunidade de fãs, preservadores e moderadores rapidamente se organizou e pôs mãos à obra. A Archive Team (Equipa de Arquivo) tomou a liderança dos esforços de preservação para o Internet Archive (Arquivo da Internet), com várias pessoas voluntárias a desenvolverem programas capazes de guardar os conteúdos, e outras a juntarem-se a grupos aos milhares, para que os seus conteúdos fossem guardados. Em paralelo, a comunidade de fandom rapidamente criou o projeto Yahoo-Geddon e, com a ajuda de 200 pessoas voluntárias, focou-se em arquivar grupos de fandom recorrendo a ferramentas desenvolvidas pela Archive Team e PF Offline, comunicando através de um Discord centralizado e Tumblr. Com a ajuda de outros grupos de preservação como o Yahoo Groups Crusade, a comunidade espalhou a informação, falou com jornalistas e pediu pessoas voluntárias para ajudar a Archive Team e o grupo do Yahoo-Geddon nos esforços de preservação. Entretanto, o comité Open Doors (Portas Abertas) da OTW (Organização para Obras Transformativas) criou o Yahoo Groups Rescue Project para espalhar a palavra e ajudar as pessoas moderadoras que precisavam de ajuda a arquivar os seus grupos no Archive of Our Own – AO3 (O Nosso Próprio Arquivo) e escreveu uma Carta Aberta à Verizon a pedir que a purga de conteúdos fosse adiada.

A velocidade e números por detrás da organização da comunidade de fandom teve um benefício secundário: a comunidade foi capaz de focar os esforços da Archive Team na preservação dos grupos públicos de fandom do Yahoo de uma maneira que muitas outras comunidades eram capazes, garantindo uma maior representação para a comunidade. Por sua vez, as pessoas voluntárias do Yahoo-Geddon apoiaram os esforços gerais de preservação da Archive Team, ajudando-os a salvar grupos de culinária, de genealogia, de língua não-inglesa e muitos outros.

Estes esforços não foram inteiramente em vão: a Verizon alargou o prazo para 31 de janeiro de 2020; a Archive Team conseguiu preservar mais de 1 milhão de grupos; a equipa do Yahoo-Geddon salvou cerca de 300.000 grupos de fandom; e mais centenas ou milhares foram salvos por pessoas utilizadoras ou moderadoras a quem o alerta para a purga chegou através do esforço coletivo de divulgação. Muitos destes grupos vão trazer o seu conteúdo de fãs para o AO3 como projetos Open Doors (Portas Abertas). No entanto, estes esforços pecam em comparação com a estimativa de mais de 10 milhões de grupos que foram perdidos – o equivalente aos estimados 90% de filmes feitos antes de 1929 que estão perdidos para sempre porque ninguém achou que valiam a pena preservar.

A preservação digital requer tempo e dinheiro, e as grandes empresas que hoje em dia alojam grande parte dos nossos dados não os valorizam o suficiente para investirem na preservação. No entanto, isto é história — a nossa história — e nós vamos lutar para impedir que desapareça sem deixar rasto. Esperamos que te juntes a nós.


A OTW é a organização-mãe sem fins lucrativos de vários projetos, incluindo AO3, Fanlore, Open Doors, TWC e Assistência Legal da OTW. Somos uma organização dirigida por fãs, gerida por pessoas voluntárias e apoiada inteiramente por donativos. Podes ficar a saber mais acerca de nós no website da OTW. Para aprenderes mais acerca da nossa equipa voluntária de tradução que traduziu este artigo, consulta a página de Tradução.

Publicação Convidada da OTW: Henry Jenkins

De vez em quando, a OTW (Organização para Obras Transformativas) irá apresentar publicações de pessoas convidadas nas nossas contas de Notícias da OTW. Estas pessoas oferecerão uma perspetiva de fora acerca da OTW ou aspetos da fandom onde os nossos projetos poderão estar presentes. As publicações expressam as visões pessoais da respetiva pessoa autora e não refletem necessariamente as visões da OTW ou constituem a nossa política. As sugestões de fãs para futuras publicações convidadas são bem-vindas, e podem ser feitas através de um comentário aqui ou contactando-nos diretamente.

Henry Jenkins é um dos mais conhecidos académicos de média a investigar fandom. O seu livro Textual Poachers: Television Fans and Participatory Culture (Caçadores Textuais: Fãs de Televisão e a Cultura Participativa), publicado em 1992, foi lido em várias partes do mundo e é considerado um dos textos fundadores do campo de estudos de fãs. Quando o convidámos para participar na publicação deste mês, a propósito do nosso 10º aniversário, respondeu: “É uma honra pedirem-me para desempenhar este papel.” Henry falou connosco sobre fãs, estudantes e fandom.

Caçadores Textuais continua a ser bastante lido por estudantes e por quem tem curiosidade acerca de fãs e fandom, mas o Henry escreveu uma dúzia de livros e muitos mais artigos desde então. O que considera ter mudado mais na fandom desde os seus primeiros dias, como investigador e como participante?

No que diz respeito à fandom, o impacto dos meios de comunicação digitais tem sido decisivo: ao expandir o alcance da fandom, incluindo maiores ligações entre fãs por todo o mundo; ao acelerar a velocidade de resposta de fãs, em termos de poderem reagir aos seus programas favoritos em tempo real; ao criar um espaço onde obras de fãs são muito mais visíveis para a cultura em geral (para o bem e para o mal); ao permitir que as pessoas descubram a fandom com uma idade muito mais jovem; e ao aumentar o impacto do ativismo de fãs na procura de reafirmar a sua voz em resposta ao cancelamento de programas. (Não precisamos de ir mais longe do que o dramático reverso da fortuna de Timeless nesta primavera passada).

No que diz respeito ao estudo académico da fandom, temos assistido ao emergir de um todo subcampo de investigação, com a sua própria conferência e organização profissional, as suas próprias publicações académicas (incluindo Transformative Works and Cultures – Obras e Culturas Transformativas), as suas próprias linhas de publicação, os seus próprios cursos, etc. Dentro do próximo ano, haverá pelo menos quatro grandes antologias académicas dedicadas a mapear o campo dos estudos de fãs, refletindo o emergir de uma nova geração de investigadores e representando inovações em várias frentes, mas particularmente em termos dos estudos de fandom lidarem finalmente com questões raciais.

Ler mais

Publicação convidada de Versaphile

De vez em quando, a OTW (Organização para Obras Transformativas) irá publicar artigos escritos por pessoas convidadas nas nossas contas de Notícias da OTW. Estas pessoas convidadas irão fornecer uma perspetiva externa sobre a OTW ou aspetos da fandom onde os nossos projetos poderão marcar presença. Os artigos expressam os pontos de vista pessoais de cada pessoa autora e não refletem necessariamente os pontos de vista da OTW ou constituem políticas da OTW. Acolhemos sugestões de fãs para publicações convidadas futuras, através de um comentário neste artigo ou contactando-nos diretamente.

Versaphile é “oficialmente da velha guarda, tendo estado presente na fandom online desde 1995: ao longo dos anos, tenho estado nas fandoms de Ficheiros Secretos, Rumo ao Sul, Stargate SG-1, Senhor dos Anéis, Buffy Caçadora de Vampiros/Angel, Hornblower, Life on Mars, Doctor Who e BBC Merlin. Costumava realizar muitos projetos de infrastruturas de fãs como recomendações e arquivos, bem como vids e manipulações, mas agora estou feliz apenas escrevendo obras de ficção épicas ridiculamente longas e com muita angústia para a fandom de Merlin.” Hoje, Versaphile fala sobre a sua experiência de trabalho com o projeto Open Doors (Portas Abertas) da OTW como proprietária de arquivos que estão a ser importados para o Archive of Our Own – AO3 (O Nosso Próprio Arquivo).

Como é que entraste no mundo da fandom e das obras de fãs?

Eu herdei os sentimentos de fã dos meus pais por Star Trek, mas a minha primeira fandom legítima foi Ficheiros Secretos. Comecei a usar a internet em 1994/1995 e descobri a Usenet e alt.tv.x-files e, acima de tudo, a.t.x.creative. Comecei a explorar ficção de fãs e nunca olhei para trás. Ler mais