Em memória do Yahoo! Grupos

Atribuição da imagem: O Fogo de Alexandria, xilogravuras de Hermann Göll, 1876, composição feita pela Equipe do Projeto Yahoo-Geddon.

Hoje, após 20 anos servindo as comunidades de fãs e além na internet, o Yahoo! Grupos foi encerrado. A decisão foi comunicada pela Verizon em 14 de outubro deste ano.

O Yahoo! Grupos foi uma combinação de fórum de discussão e lista de e-mails lançada em 1999 e rapidamente tornou-se um ponto de concentração de atividades de fãs. O Yahoo! Grupos e outros serviços similares permitiram que fãs customizassem suas experiências em fandom em níveis até então impossíveis, e os Grupos de fãs variavam em escopo de gênero a fandom, a ship, a personagens individuais.

Embora o Yahoo! Grupos tenha sido imensamente popular nos seus dias de glória nos anos 2000, ao longo do tempo foi perdendo seu público. A Yahoo passou a investir menos trabalho na manutenção do serviço e, por isso, perdeu-se muito da sua funcionalidade. Mais notavelmente, você pode se lembrar do anúncio da Verizon de 16 de outubro de 2019, de que todas as mensagens e arquivos do Yahoo! Grupos seriam apagados até 14 de dezembro de 2019 e que o serviço continuaria existindo apenas como uma lista de e-mails sem armazenar nenhum registro das mensagens e arquivos publicados nas listas.

Com tão pouco tempo para salvar quase 20 anos de publicações, imagens e outros conteúdos insubstituíveis, fãs, conservacionistas e responsáveis por moderação rapidamente se organizaram e entraram em ação. A Equipe de Arquivo tomou a dianteira nos esforços de preservação do Internet Archive, com algumas pessoas se voluntariando para escrever códigos para fazer o download de conteúdo e dúzias entrando em grupos para garantir que seu conteúdo seria resgatado. Paralelamente, a comunidade de fandom rapidamente formou o projeto Yahoo-Geddon e, com a ajuda de mais de 200 pessoas, começou a se concentrar no arquivamento de grupos de fandom usando as ferramentas desenvolvidas pela Equipe de Arquivo e PG Offline e se comunicando através de um servidor de Discord centralizado e um Tumblr. Junto a grupos preservacionistas como o Yahoo Groups Crusade, espalharam informações, procuraram jornalistas e pediram ajuda voluntária com os esforços paralelos de preservação de grupos da Equipe de Arquivo e do projeto Yahoo-Geddon. Enquanto isso, o comitê Portas Abertas da OTW (Organização para Obras Transformativas) criou o Projeto de Resgate do Yahoo Grupos para divulgar informações e ajudar responsáveis por moderação a arquivar seus grupos no Archive of Our Own – AO3 (Nosso Próprio Arquivo), e escreveu uma Carta Aberta à Verizon pedindo para adiarem a eliminação do conteúdo.

A velocidade e volume de pessoas envolvidas na organização do fandom teve um benefício secundário: conseguiram direcionar o foco da Equipe de Arquivo para a preservação de grupos de fandom públicos de uma forma que foi impossível para outras comunidades, assegurando maior representatividade da comunidade. Por sua vez, a equipe voluntária do Yahoo-Geddon apoiou os esforços de preservação mais amplos da Equipe de Arquivo, ajudando a resgatar grupos de culinária, de genealogia, em língua estrangeira e muitos outros.

Esses esforços não foram completamente em vão: a Verizon estendeu o prazo até 31 de janeiro de 2020; a Equipe de Arquivo conseguiu preservar mais de 1 milhão de grupos; a equipe do Yahoo-Geddon salvou cerca de 300 mil grupos com temática de fandom; centenas ou milhares a mais foram salvos por membros ou pela moderação alertada sobre a eliminação pelos nossos esforços coletivos; muitos outros grupos vão adicionar seus conteúdos de fãs ao AO3 como projetos do Open Doors (Portas Abertas)! Porém, isso é pouco em comparação com a estimativa de mais de 10 milhões de grupos que foram perdidos — equivalente aos estimados 90% dos filmes produzidos antes de 1929 que foram perdidos para sempre por ninguém ter se preocupado em preservá-los.

Conservação digital exige tempo e dinheiro, e as grandes companhias que atualmente armazenam muitos dos nossos dados não os valorizam o bastante para investir na sua preservação. Porém, isso é história — a nossa história — e vamos lutar para impedir que ela desapareça sem deixar rastros. Esperamos que você se junte a nós.


A OTW é uma organização sem fins lucrativos responsável por vários projetos, incluindo AO3, Fanlore, Portas Abertas, TWC e Ativismo Jurídico. Somos uma organização administrada por fãs, mantida por doações e com uma equipe inteiramente voluntária. Para mais informações sobre nós, visite o site da OTW. Saiba mais sobre a nossa equipe de Tradução, que traduziu esse post, na página do comitê de Tradução.

Post criado por convidadx da OTW: Henry Jenkins

De tempo em tempos a OTW (Organização para Obras Transformativas) trará posts escritos por convidadxs nas nossas contas de Notícias da OTW. Estes posts pretendem das espaço para uma perspectiva externa a respeito da OTW ou de aspectos do fandom onde nossos projetos podem estar presentes. Estas postagens expressam as opiniões pessoais dxs autorxs e não necessariamente refletem as visões da OTW ou constituem a política da OTW. Nós adoraríamos receber sugestões de fãs para posts no futuro, elas podem ser deixadas nos comentários desta publicação ou entrando em contato direto conosco.

Henry Jenkins é um dos pesquisadores mais conhecidos na área de estudos de mídia dedicado a pesquisas relacionadas ao fandom. Seu livro de 1992 Textual Poachers: Television Fans and Participatory Culture foi lido em todo o mundo e é visto como um dos textos essenciais da área de estudos de fãs. Quando pedimos que escrevesse este post para o nosso aniversário de dez anos, ele respondeu: “é uma honra ser convidado para desempenhar esse papel”. Henry fala conosco a respeito de fãs, estudantes e fandom.

Textual Poachers continua sendo lido por estudantes e pessoas curiosas a respeito de fãs e fandoms, mas você também já escreveu vários outros livros e artigos desde então. Na sua opinião, quais foram as maiores mudanças no fandom desde que você começou tanto como pesquisador quanto como participante?

Com relação ao fandom, o impacto das mídias digitais foi decisivo: expandindo o alcance do fandom, criando conexões mais profundas entre fãs ao redor do mundo; aumentando o velocidade de resposta dos fãs, que podem reagir em tempo real aos seus programas preferidos; criando um espaço onde obras de fãs são muito mais visíveis para a cultura como um todo (o que tem aspectos bons e ruins); permitindo que pessoas encontrem o caminho para o fandom cada vez mais jovens; e ampliando o impacto das ações de fãs ativistas para que suas vozes sejam ouvidas no que diz respeito ao cancelamento de programas. (Não é preciso ir além da recente e dramática mudança na sorte de Timeless).

Com relação ao estudo acadêmico do fandom, nós vimos o surgimento de um subcampo de pesquisa, com suas próprias conferências e organizações profissionais, suas próprias publicações (inclusive a Transformative Works and Cultures — TWC (Culturas e Obras Transformativas)), suas próprias linhas de editoriais, seus próprios cursos, e assim por diante. No próximo ano, ao menos quatro antologias acadêmicas serão publicadas dedicadas ao mapeamento do campo de estudos de fandom, refletindo o surgimento de uma nova geração de pesquisadores e representando inovações em diversas áreas, mas principalmente no que diz respeito a finalmente confrontar a questão racial.

Leia Mais

Post da Convidada Versaphile

De tempos em tempo, a OTW (Organização Para Obras Transformativas) irá publicar posts de convidadxs nas contas da OTW News. Estxs convidadxs oferecerão uma perspectiva externa a respeito da OTW ou aspectos de fandom onde nossos projetos podem estar presentes. Os posts expressam a visão pessoal de cada autorx e não refletem necessariamente a visão ou constituem a política da OTW. Nós aceitamos sugestões de fãs para futuros posts de convidadxs, elas podem ser deixadas nos comentários ou entrando em contato conosco diretamente.

Versaphile é “oficialmente das antigas, estando envolvida com fandoms online desde 1995: ao longo dos anos eu participei dos fandoms de Arquivo X, Due South, Stargate SG-1, Senhor dos Anéis, Buffy a Caça Vampiros/Angel, Hornblower, Life on Mars, Doctor Who, e Merlin da BBC. Eu costumava fazer diversos projetos de fã ligados a infraestrutura, como recomendações e arquivos, além de vídeos e montagens, mas hoje sou feliz escrevendo épicos de Merlin ridiculamente longos e cheios de angústia.” Hoje, Versaphile vai falar sobre sua experiência trabalhando com o projeto Open Doors (Portas Abertas) da OTW como proprietária de arquivos que estão sendo importados para o Archive of Our Own – AO3 (Nosso Próprio Arquivo).

Como você se envolveu com fandoms e obras de fãs pela primeira vez?

Eu herdei o vício em Star Trek dos meus pais, mas o primeiro fandom em que me envolvi por conta própria foi de Arquivo X. Eu entrei na internet em 1994/1995 e descobri Usenet e alt.tv.x-files e, mais importante, a.t.x.creative. Me envolvi com fanfic e nunca me arrependi. Leia Mais