Cinco Coisas que a Naomi Novik Disse

Todos os meses, a OTW (Organização para Obras Transformativas) vai fazer uma sessão de perguntas e respostas com uma pessoa voluntária acerca das suas experiências na OTW. Os artigos expressam as opiniões pessoais de cada pessoa voluntária e não refletem necessariamente as visões da OTW nem fazem parte da política da organização.

Para assinalar as celebrações do nosso décimo aniversário, este mês temos uma edição especial retrospetiva de Cinco Coisas. O artigo de hoje é com a Naomi Novik, uma das fundadoras da OTW, um antigo membro da direção e membro atual da equipa do comité de Acessibilidade, Design & Tecnologia. O que se segue é uma transcrição da entrevista que foi editada para efeitos de comprimento e clareza.

Como foi o primeiro ano da OTW? O que é que te recordas mais desse ano?

Não me lembro dos pontos positivos tão bem, ao longo do tempo aquilo que mais recordo são os problemas. No início havia muito trabalho que tínhamos de fazer para tranquilizar as pessoas sobre o que estávamos a tentar fazer, por exemplo, que não iam ter problemas [legais], que iria haver maneiras de dar controlo às pessoas sobre as suas histórias. A outra parte nesse primeiro ano é que as pessoas esperavam ver alguma coisa 5 minutos depois de nos termos formado! Sabes, onde está o Archive of Our Own – AO3 (O Nosso Próprio Arquivo)? Mas tudo isso leva tempo, a OTW ficou com muitas dores de crescimento que acontecem quando estás a tentar construir alguma coisa do zero. Mas a minha filosofia é agir se houver impulso para isso e é melhor ter feito alguma coisa mesmo não sendo perfeita do que não ter feito nada. Ler mais