10 anos de AO3

Dez anos de AO3: james_

Quando pedimos para o james_ escrever um pouco sobre seu tempo com a OTW (Organização para Obras Transformativas) e em especial o Archive of Our Own – AO3 (Nosso Próprio Arquivo), ele tinha tanta coisa pra falar que foi difícil se ater ao limite de palavras combinado. (Ele gostaria de agradecer à Priscilla pela ajuda na hora de editar!) No post abaixo você lerá sobre algumas das dificuldades que james_ enfrentou durante seu tempo nas equipes de Sistemas e de Acessibilidade, Design e Tecnologia. Além disso, ele também conta sobre a parte mais gratificante do seu trabalho, que nos ajuda a manter o foco e o ânimo. Como você verá, james_ foi uma das pessoas que aceitou o Prêmio Hugo de Melhor Obra Relacionada em prol do AO3.

Ser voluntário da OTW nos anos iniciais foi empolgante, estressante, cansativo e desmoralizante, mas também valeu a pena. Naquela época, nós só tínhamos cinco servidores e toda hora tínhamos que ajustar o balanceamento de carga entre os nossos poucos sistemas. Nós entramos em contato com o pessoal do Dreamwidth (obrigado, Mark), que nos ajudou. A gente estava aprendendo ao mesmo tempo em que o tsunami de tráfego cada vez maior do AO3 chegava até nós.

Muito embora haja sempre gente que quer te colocar pra baixo, essas pessoas são um número muito pequeno perto das que nos dão apoio e nos colocam pra cima. Eu sou muito grato a cada pessoa que faz uma doação para a OTW. As suas doações significam que nós conseguimos comprar as máquinas que fazem com que o AO3 funcione de forma estável — e que hoje em dia eu raramente tenha que acordar no meio da noite porque o site ficou fora do ar.

Outra coisa que teve um impacto significativo na minha vida como voluntário foram os conflitos recorrentes que ambos os meus comitês tiveram com versões anteriores do Conselho de Administração da OTW. Esses conflitos geraram uma enorme frustração e eu cheguei a entrar em contato com o comitê Jurídico para saber como membros da OTW poderiam chamar o Conselho à responsabilidade. Depois da renúncia do Conselho de 2015 por inteiro, as coisas estão muito melhores. Nenhuma organização é perfeita, mas eu acredito que todo mundo na OTW é mais feliz hoje em dia. Espero que continue assim e acredito que a melhor forma de garantir disso é me certificando de que toda eleição para o Conselho tenha candidaturas o suficiente para ir às urnas. Eu fui candidato em 2016 e seria novamente caso seja necessário para que tenhamos um número suficiente de candidaturas.

Nossos sucessos foram tanto externos quanto internos. Esse ano eu tive o prazer de estar no palco na Worldcon quando o AO3 ganhou um Prêmio Hugo e foi só alegria.

james_ segurando o Prêmio Hugo do AO3

E quanto ao futuro, eu acredito que iremos precisar arrecadar muito mais do que fazemos hoje em dia, para que nós possamos contratar trabalho fixo. Não podemos funcionar de forma sustentável para sempre só com base em trabalho voluntário. Nós temos cerca de 5% do número de acessos que a Wikipedia tem e o nosso orçamento é cerca de um terço de 1% do deles.


A OTW é uma organização sem fins lucrativos responsável por vários projetos, incluindo AO3, Fanlore, Portas Abertas, TWC e Ativismo Jurídico. Somos uma organização administrada por fãs, mantida por doações e com uma equipe inteiramente voluntária. Para mais informações sobre nós, visite o site da OTW. Saiba mais sobre a nossa equipe de Tradução, que traduziu esse post, na página do comitê de Tradução.

10 anos de AO3

10 anos de AO3: Rebecca Sentance

Rebecca Sentance é a Presidente da Fanlore, membro da equipe da Documentação do AO3 e diagramadora da Transformative Works and Cultures – TWC (Obras e Culturas Transformativas). Ela é nossa segunda participante a compartilhar sua perspectiva na nossa série de cinco partes para comemorar os dez anos do Archive of Our Own – AO3 (Nosso Próprio Arquivo). Embora ela não esteja na OTW (Organização para Obras Transformativas) há tanto tempo quanto nossa convidada anterior, Francesca Coppa, Rebecca já fez fama como uma importante voluntária na OTW, envolvendo-se em diversos comitês. A seguir, veja o que ela tem para compartilhar com a gente sobre a sua experiência

Eu me envolvi inicialmente com a OTW como voluntária em 2015, mas já desejava voluntariar na organização há anos. Um combo de ser estudante em tempo integral e sempre perder o período de recrutamento me impediu de participar até o verão após a conclusão do meu mestrado. Eu finalmente decidi levar a sério o voluntariado e programei um alerta na página de Voluntariado da OTW para monitorar qualquer mudança. O primeiro comitê a abrir vagas após minha decisão foi o de Documentação do AO3. Eu me candidatei e o resto é história!

Ser uma das pessoas responsáveis por redigir e editar documentos de ajuda do AO3 (FAQs e tutoriais) me assegurou um lugar privilegiado para acompanhar algumas das nossas grandes mudanças de código ao longo dos anos. Um dos meus momentos de maior orgulho como voluntária da OTW — além da premiação do AO3 com o Hugo! — foi participar da fase de testes da grande atualização que o AO3 fez no seu sistema de pesquisa e filtragem lançado ano passado, meu nome apareceu nas notas da versão. Também tenho carinho pela FAQ Ferramentas não-oficiais para navegadores, minha primeira tarefa como beta como membro do comitê de Documentação do AO3. Com ela tive a oportunidade de baixar e brincar com muitos userscripts e ferramentas divertidas.

Quando criei a minha conta no AO3 em 2011, o que mais me atraiu foram as tags e como usuárixs poderiam criar novos fandoms e relacionamentos simplesmente usando tags. Tenho o orgulho de ter publicado uma das primeiras fics no fandom Piratas do Caribe: Navegando em Águas Misteriosas! Hoje em dia eu escrevo principalmente para um pequeno fandom de podcast e ainda não encontrei alegria maior do que criar uma tag que nunca foi usada antes.


A OTW é uma organização sem fins lucrativos responsável por vários projetos, incluindo AO3, Fanlore, Portas Abertas, TWC e Ativismo Jurídico. Somos uma organização administrada por fãs, mantida por doações e com uma equipe inteiramente voluntária. Para mais informações sobre nós, visite o site da OTW. Saiba mais sobre a nossa equipe de Tradução, que traduziu esse post, na página do comitê de Tradução.

10 anos de AO3

10 anos de AO3: Francesca Coppa

Começamos a nossa série comemorando os 10 anos do Archive of Our Own – AO3 (Nosso Próprio Arquivo) com um post por Francesca Coppa. Francesca é uma das fundadoras da OTW (Organização para Obras Transformativas) e a diretora que mais tempo passou no Conselho de Administração da organização, ficando no cargo por cinco anos. E ela continua a ser voluntária da OTW até hoje.

Francesca ficou muito entusiasmada com a oportunidade de participar dessa série! Aqui está sua contribuição:

Eu passei grande parte da minha vida em ambientes acadêmicos e a OTW foi, sem dúvida alguma, a melhor das escolas. É como dizem, “tudo o que eu realmente precisava saber na vida eu aprendi na OTW!”. Eu tenho recordações muito boas do nosso começo, no verão de 2007, depois da idéia inicial para a criação do AO3. As reuniões duravam horas! A Naomi Novik e a Michele Tepper estavam avaliando ferramentas tecnológicas e planejando como seria a experiência das pessoas ao usarem o site. A Rebecca Tushnet e a Susan Gibel estavam cuidando da burocracia para sermos uma ONG e criando as estruturas institucionais para reger a nossa existência. (Eu acho que a Susan é uma heroína dos bastidores do início da OTW.)

Enquanto isso, eu estava organizando as pessoas que haviam se oferecido para ajudar em comitês. A gente pediu para quem queria tomar parte na nossa equipe voluntária para listar seus interesses e habilidades. O resultado foi incrível e super emocionante: tinha gente do Direito, desenvolvimento de software, relações públicas, análise de banco de dados, arrecadação de fundos, administração de sistemas, jornalismo, gerenciamento, contabilidade, escrita técnica; tanta talento e de tipos tão diversos! E tudo isso oferecido de graça, por amor ao projeto.

Foi isso que me marcou e no que eu mais penso hoje nesse momento: que o que caracteriza a OTW e o AO3 é o coletivo, as relações do fandom como um todo, com seus vínculos fortes (“Eu morreria por vocês!”) e também mais casuais (“Nós estávamos no mesmo fandom um tempo atrás!”), além dos vínculos que nascem simplesmente de uma identidade compartilhada (“Você uma vez gostou de alguma coisa da mesma forma que eu gosto!”), que fazem com que nós nos reconheçamos mutuamente ao ver uma camiseta, um adesivo ou uma página aberta em um navegador. Todxs nós trabalhando para um objetivo comum. Nós somos o que era para a internet ser: uma rede de pessoas se unindo para construir algo e garantir sua continuidade.


A OTW é uma organização sem fins lucrativos responsável por vários projetos, incluindo AO3, Fanlore, Portas Abertas, TWC e Ativismo Jurídico. Somos uma organização administrada por fãs, mantida por doações e com uma equipe inteiramente voluntária. Para mais informações sobre nós, visite o site da OTW. Saiba mais sobre a nossa equipe de Tradução, que traduziu esse post, na página do comitê de Tradução.